19 de agosto, 2016 - 00h00 - por Gustavo Aguiar

Sammliz resurge na música com disco solo "Mamba"

NOVIDADES > ago 2016

Produto de um longo caminho de pesquisa, experimentações, encontro com a música e consigo mesma, o disco "Mamba", que sai pelo Natura Musical, é o primeiro álbum da carreira solo de Sammliz, artista paraense que assumiu os vocais da banda Madame Saatan por 11 anos. Com 10 faixas, nove delas são composições de inéditas da artista e uma regravação da música oitentista "Quando o Amanhã Chegar", de Leonardo Sullivan, trazendo roupagem obscura e dramática para a canção. "A inspiração pra ele [o disco] veio de minhas transformações pessoais, inquietude, e experimentos com as sonoridades que sempre gostei, que mostram outras facetas que fazem parte de mim e que eu precisava escancarar", desclara a artista para o site da Se Rasgum.

DISCO COMPLETO (ouça aqui)

Com produção feira entre Belém, São Paulo e Salinas, Sammliz serve pós-punk, stoner e eletrônica com suspiros de ritmos da terra. A paraense assume a produção do trabalho dividindo as inspirações com os guitarristas Leo Chermont (Strobo) e João Lemos (Molho Negro), com letras que falam de amor, a morte e o tempo, soando inovador e instigante, e trafegando por potencialidades pop nada convencionais. Durante a produção, o disco ainda teve a direção musical do gaúcho Carlos Eduardo Miranda. O projeto, que inclui a gravação do disco e shows de lançamento, foi selecionado pelo edital Natura Musical 2014, com apoio da Lei Semear.

O primeiro show já tem data: 09 de setembro, em Belém, na boate Urbano. Confira abaixo a entrevista completa que a Sammliz deu para o site da Se Rasgum e o clipe de "Mamba", música-título do CD.

Sammliz - Mamba - Cre?dito Julia Rodrigues.png

Sammliz, em nova fase, mostra maturidade musical no disco "Mamba". Foto: Julia Rodrigues

SR: De onde vieram as principais inspirações pra esse primeiro disco?

Sammliz: Comecei a esboçar esse trabalho enquanto ainda morava em SP, em atividade com o Madame Saatan. Algumas coisas escritas nessa época e ideias de musicas foram reconstruídas quando voltei para Belém, já no objetivo de finalmente trazer esse disco à tona. A inspiração pra ele veio de minhas transformações pessoais, inquietude,  e experimentos com as sonoridades que sempre gostei, que mostram outras facetas que fazem parte de mim e que eu precisava escancarar. 

SR: Nesse processo de experimentação, qual foi o maior desafio de produção pra ti?

Sammliz: Até a etapa de chegar e entender finalmente qual era a estética sonora do meu disco eu experimentei bastante.Isso foi desafiador. Me despir completamente de tudo que eu fazia, desapegar total, para vestir essa nova pele. Chamei vários músicos para tocar ideias de músicas,  eu e Leo montamos bateria no meio da sala, entre teclados e amps, e virávamos noites gravando zilhões de coisas,  entupindo nossa "pasta de experimentos". Nessa etapa chamei João Lemos, com quem tenho bastante afinidade na questão de gostos musicais, ele me entupiu de milhares de referências e começou a imprimir aquela personalidade dele no que já havíamos levantado até então. Tudo começou a fazer naturalmente sentido e vi muito claramente que eles seriam os produtores do disco junto comigo. Passamos os 3 juntos uma temporada em Salinas, com um estúdio que montamos lá, e isso foi fundamental para finalmente fechar o conceito sonoro do disco. Com essa pré bastante adiantada mandei pro Miranda, ja que estávamos nessa paquera de trabalhar juntos algum dia desde minha época em SP. Ele curtiu tudo, entrou pro time, nos entupiu de outros zilhões de sons, ideias e soluções mágicas que só ele consegue, e tudo fluiu lindo até a gravina do disco. 

SR: O "Mamba" dialoga com o cenário político e social brasileiro contemporâneo? De que forma?

Sammliz: É um disco feito por uma mulher, realizando seu próprio trabalho, e se impondo nesse mundo caótico de transições políticas, vivendo e perseguindo as transformações do agora, nesses tempos obscuros, de muitas urgências e que precisa de mudanças profundas individuais para seguir em frente. Nesse sentido ele dialoga sim, com momento social contemporâneo. 

SR: Conta pra gente a tua agenda de shows e novidades :) 

Sammliz: Tem meu show de lançamento agora dia 09.09 na Urbano, e shows em BH e em SP marcados. Há também dois shows em eventos sensacionais até o final do ano em Belém que ainda não posso divulgar. Para quem gostava do meu trabalho, para quem gostou de quem sou agora, faço o convite para que venha ver esse renascimento de perto. Estou com sangue nos olhos para voltar logo aos palcos. :)



<< Voltar