17 de fevereiro, 2016 - 00h00 - por Gustavo Aguiar

Natália Matos lança novo videoclipe

FESTIVAL > fev 2016

A sofreguidão seria um ótimo remédio para o bloqueio criativo? A cantora paraense Natália Matos se entrega na aposta de que é preciso sofrer pra compor, no colorido videoclipe da música "Você me ama, mas", que integra seu primeiro CD, homônimo, lançado em 2014 pela pelo programa Natura Musical. O vídeo foi compartilhado com os fãs nesta quarta-feira, 17 de fevereiro, e teve direção de Carolina Matos, artista paraense que hoje reside em São Paulo e já possue um belíssimo portifólio com videoclipes feitos para Aíla, Felipe Cordeiro, Ana Clara, Gang do Eletro, Bonde do Rolê, entre outros. 

Num quarto em que a suave luz do dia entra por grandes janelas, Natália encarna a personagem artista em que encena metáforas para a concepção de um trabalho, além de brilhar com bela maquiagem e cenografia. Entre loucura, fragilidade, deboche, a personagem passeia por sentimentos, e a busca deles, para a construção de sua própria identidade, refletida em sua relação com os objetos em cena. Para a diretora, a história faz com que a personagem de Natália Matos trafegue por dois planos: de fora pra dentro, quando ela se encontra no cenário criado no quarto, e de dentro pra fora, quando os detalhes minimalistas mostras os sentimentos internos se expandindo. 

“Tudo começa de dentro pra fora, os sentimentos de angústia, tédio, a risada louca e histérica fazem parte de um processo que vai motivar a artista a buscar essa identidade no exterior, na relação com objetos, 
roupas, retalhos, luz, o cabide descompassado que bate exatamente com o seu desequilíbrio, a dialética do que “é” e do que se quer “ser”. Já no espaço minimalista, a relação é de fora pra dentro. Natália circula pelo ambiente, sendo e fazendo a interferência, enquanto conversa com a câmera. Ela provoca, debocha e suplica pela inspiração, pela maturidade e pelo direito de se descobrir. No corte da roupa, a ruptura. Na costura, o remendo da reconstrução. No espelho, o reconhecer. Até o seu 'voo', quando ela não precisa ser nada, mas pode vir a ser absolutamente tudo”, explica a diretora do clipe, Carolina Matos.

Assista o videoclipe na íntegra


<< Voltar